Página Inicial
| avançada |
Coimbra EditoraLivrarias AssociadasComo Comprar  

Registe-se

Email   Password
Homepage - Introdução ao Direito - História ...

Secções Temáticas
   
DIREITO PRIVADO ROMANO — III (DIREITOS REAIS)

Autores: A. Santos Justo
Local de Edição: Coimbra
Editor: Coimbra Editora
Serie/Nº: Stvdia Ivridica - 26
ISBN 978-972-32-2284-5
Editado em: Outubro - 2019
234 págs.
Edição: Reimpressão da Edição de Março de 1997
0,368Kg
€ 11,63 € 10,47

NOTA PRÉVIA


Constituindo o direito romano a base fundamental do direito contemporâneo, sobretudo privado, justifica-se a insistência com que, enfrentando os novos tempos minados por um pragmatismo superficial, algumas vozes mais responsáveis se têm erguido na defesa do seu estudo.

A responsabilidade do docente duma Faculdade de Direito não postula, somente, a continua preocupação por novos saberes e a sua consequente transmissão; também exige que saiba contribuir para a sólida formação jurídica dos alunos, que permita evitar o naufrágio a que uma cultura jurídica artificial poderá conduzir.

No direito privado, o direito romano influenciou, muito especialmente, os direitos reais e o direito das obrigações consagrados nos códigos hodiernos; por isso, entendemos iniciar a sua exposição pelos direitos reais.

De que modo?

Não ignoramos que um direito positivo diferente é fruto de outra dogmá-tica. Porém, na esteira de BETTI, «la nostra mentalità non è come una veste di cui possiamo spogliarci, ma è qualcosa di necessário per noi». Na verdade, é pura utopia gnoseológica privarmo-nos da nossa mentalidade jurídica — isto é, alhearmo-nos da dogmática moderna para entendermos um direito elaborado por outra dogmática.

Além do propósito de transmitir ao jurista o interesse por um direito que lhe pode ser muito útil, não podemos utilizar uma linguagem estranha nem expor instrumentos dogmáticos que verdadeiramente não domina e só confundem.

Na sábia advertência de AlVAREZ SUAREZ, «el método va determinado por el fin que el agente persiga». E porque também não quisemos perder de vista o direito português — a que dedicaremos oportunas (embora ligeiras) referências para destacar a decisiva influência do direito romano —, justifica-se a tentativa de, na medida do possível, procurarmos expor os direitos reais de Roma segundo os quadros mentais fornecidos pela dogmática dos nossos dias.

A. SANTOS JUSTO

 

www.coimbraeditora.net
   
Powered by IBT Livraria Juridica. Todos os direitos reservados.